quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Mentes travessas

por Maria Carolina Medeiros

Um fato fora de contexto e pronto: a confusão está feita. O livre arbítrio “permite” que cada um interprete absolutamente qualquer coisa da maneira que bem entender. E o problema é justamente esse: entender.

Tem aquele ditado que diz que “quem procura, acha”. E de tanto temer que algo acontecesse à sua volta sem que percebesse, de tanto receio de tapar o sol com a peneira, de tanto procurar... ainda assim, não achou.

Então, a mente travessa viu problema onde não tinha, afinal de contas, anormal era não ter problema nenhum. Se não havia problema em evidência, ora, devia ser apenas porque ele não estava aparente... devia era ser um problemaço, daqueles que não se enxerga tão facilmente.

Era isso: os problemas tinham que estar em algum lugar!, e resolveu procurá-los. Um número desconhecido no celular, uma chamada perdida, um torpedo com um enigmático “eu também” provavelmente era resposta a uma mensagem relembrando uma noite inesquecível. Só para a mente, porque a suposta noite entre amantes nunca existiu. Minto, existiu em sua imaginação.

E como é poderosa a tal da criatividade! A mente é uma criança que quer diversão, quer pensamentos libidinosos, quer problemas para resolver. Nela, as coisas deixam de ser o que são para se tornarem o que visualizamos que sejam.

Tem quem mantenha relações que estão evidentemente falidas: casamentos, amizades e trabalhos. É triste não ver o que está diante dos próprios olhos. Mas igualmente triste é ver tudo o que não está ao alcance dos olhos nem de lugar nenhum: está só na cabeça.

O medo de ser enganado pode ser desastroso. Mais um ditado: onde há fumaça, quase sempre há fogo. O problema é que mesmo se não há indício de incêndio, pensamentos podem levar a se queimar. A forma de encontrar verdadeiramente paz, se é que existe fórmula, é domar os pensamentos, ter controle sobre eles.

Viva, investigue o que sua intuição disser que não está legal, não deixe passar o que você não pode relevar sinceramente, mas não alimente a mente com pensamentos que podem machucar o coração.

6 comentários:

com_estilo disse...

Ótimo,excelente texto, Carol!!!!!!
O final foi preciso e certeiro pra mim!!

Beijão!

Isabela disse...

parabéns por mais um belo texto. muitas pessoas se identificarão com o conteúdo dele, pois revela situações comuns no cotidiano.

bjs

PV

Tourinho disse...

Me perdoa os acentos, mas n sei botar acento neste notebook!!! O que vc falou no direito chamamos de fumus bônus iuris, ou seja, a fumaca do bom direito! So que neste caso(no Dir) percepcao e uma ajuda para nao causar uma tragedia maior, no entanto concordo com vc, as pessoas nao querem ver a realidade que se apresenta em sua frente, e procura alguma desculpa!!!! Sdssss e beijossss carol!!!!

Nanci Pio Lopes disse...

"Parabéns pelo texto, Carol!!!!Gostei muito!!!!"

Raphael disse...

Sensacional!!!!
Parabéns!

Esse vai pro livro, né?! rs


Beijos.
Raphael

Luiz Carlos disse...

Querida filha,
Mais um ótimo texto com conteúdo lógico. Parabéns e muitos beijos do seu pai.