quarta-feira, 2 de setembro de 2009

O retorno

por Maria Carolina Medeiros


Eu amo viajar. Tudo é novidade, o dia rende, embora as horas passem sempre rápido demais. Mas uma das coisas que eu mais gosto quando viajo é a “permissão” para me desligar do mundo. Ninguém estranha se eu não respondo aos emails ou se não atendo ao celular. Mal assisto à televisão – ok, uma espiadinha na novela das 8 enquanto me arrumo para sair pra jantar não compromete.

Não fico sabendo das desgraças, não corro o risco de me sentir mal se conversar com alguém que ouviu uma notícia que eu desconheço. Eu estou viajando, não preciso saber nada sobre o mundo. Quero é saber sobre a cidade onde estou, quero explorar, conhecer seus bons restaurantes e seus pontos nem tão turísticos assim.

Mas sempre que volto de viagem e percebo quantos dias de jornal eu não li, quantas notícias eu perdi – e agora que já aconteceram mesmo, nem preciso tanto saber -, sinto uma angústia. Não pela falta de informação, porque a maioria das notícias é mesmo irrelevante. Sem contar que com um clique na internet, facilmente tomo conhecimento do que houve na minha “ausência”.

A angústia que me ronda tem a ver com as atualizações dos blogs que acompanho, e que em uma semana tem umas três novas postagens cada, e estou com preguiça de ler todas elas. Tem relação com as respostas ao “o que você está fazendo?” no twitter que eu não li. Com os emails que não respondi quando chegaram, porque não estava conectada, e que agora não estou mais a fim de responder. Algumas coisas na vida têm um timing, e cada vez mais essa hora certa de reagir a algo significa fazê-lo em tempo real, ou quase.

Foi aí que me dei conta de que eu não preciso mesmo acompanhar tantos blogs. Nem ler tantos jornais. Nem estar sempre supermegahiperultra bem informada sobre TUDO. Ninguém consegue, nem se esforçando muito.

Nem precisei viajar de novo para relaxar. Um jogo de futebol na TV, mesmo se não for do seu time, brincadeiras com a cachorrinha mais humana que eu conheço (a minha) e um abraço apertado ajudam muito. Afinal, como diria Caetano: quem lê tanta notícia?

8 comentários:

Paula Almas disse...

É amiga, viajar é bom demais, né? E quando eu volto eu não pesquiso as 'notícias velhas' não... simplesmente ignoro :) Pior é quando, meses depois, uma dessas notícias que perdi quando estava viajando fazem falta... aí eu lembro.. 'ahhh eu tava em tal lugar' :) Sempre me acontece isso :)
Saudades de você!! Bjos

Gabriel Melsert disse...

Acho a mesma coisa cârol!!!!!!!!!Beijossss!!!!!Saudades!!!!

Anônimo disse...

Viajar é a melhor coisa, ainda mais qdo conseguimos nos desligar do mundo!!!

Bem que a vida poderia ser feita de viagens hehehe

Mas ta bom, to feliz!!!!!! rsrs

Beijos!
Raphael Leta

Mauricio Faria disse...

E pensar que tem quem não goste de viajar.

Bom também é viajar sem sair de casa, lendo seus textos.

Anônimo disse...

ei, gostei do txt, mas fiquei curioso: PRA ONDE VC FOI??? :P
bjos,
giglio

Melhores Bares do Rio disse...

Tomara que não deixe de acompanhar o nosso blog Melhores Bares do Rio. Seu link também já está lá. Valeu!

Carol Daixum disse...

Adorei o texto :)!

Beijos,

Carol :)

Ana Teresa disse...

esse seu texto mostra um amadurecimento enquento pessoa, muito bom,
somente pessoas maduras conseguem essa segurança de se desligar com
consciencia...mil bjs